bannerrootday

Vale a pena comprar um smartphone 'top' assim que ele é lançado?

Por vezes, marcas identificam falhas em funcionalidades, aplicativos e componentes em smartphones recém-lançados somente depois que eles chegam as mãos do usuário. Isso já aconteceu até com os tops de linha mais badalados do mercado hoje.



O iPhone 5S, por exemplo, teve deficiência de bateria admitida pela própria Apple. O Samsung Galaxy S4 também enfrentou o mesmo problema.
Nesses casos, os primeiros compradores dos aparelhos são os mais prejudicados.
"A tecnologia inovadora está sujeita à evolução. Geralmente, ela é lançada de forma prematura por questões relacionadas basicamente ao mercado e à corrida pela inovação tecnológica", explica José Lúcio Balbi de Mello, diretor da Ledcorp, empresa especializada em mobilidade e inteligência corporativa. "Como essa corrida é determinante para se demarcar território, os fabricantes preferem correr o risco de ter um produto com 'falhas técnicas' conhecidas, do que perder o posto de alta tecnologia para o concorrente".
Porém, ele afirma que no caso de problemas de aplicativos, a atualização é bem mais simples devido à possibilidade de se corrigir as falhas de programas mesmo depois de lançados no mercado. "Para falhas físicas como bateria, GPS, bluetooth, entre outros, esta correção é feita durante a evolução dos lotes subsequentes, caso o custo do produto justifique tal ação", conta.
Para José Lúcio, os cuidados que o usuário deve ter nessa hora é evitar comprar o que não precisa ou não usa. "Caso precise inovar por 'status' ou questões profissionais, esteja preparado para ser um 'testador' de tecnologia, com todo o risco de usufruir primeiro as facilidades dos 'tops de linha' ou se irritar com uma 'funcionalidade que não funciona'", expõe.
Early adopter
Júlio Fábio Chagas, diretor de Estratégia e Marketing da MC1, empresas de soluções de mobilidade, avalia que ser um early adopter de tecnologia tem dois lados da moeda: "Ter acesso à novidade antes da maioria das pessoas, mas também os possíveis primeiros ônus antes dos outros".
Ele propõe que se a novo modelo desejado de smartphone não for fazer falta, que se espere até que a nova versão demonstre eficiência. Mas caso isso não seja possível, o especialista sugere que o usuário conheça antes de adquirir o celular inteligente a política de devolução da loja ou do fabricante e o plano de lançamento de patchs (correções) do fabricante.
"Fabricantes renomados e reconhecidos pelo respeito ao usuário, tais como Apple e Samsung, preferem amargar um recall a ter sua marca vinculada à insatisfação generalizada de seus usuários. Por isso, o risco de possível prejuízo financeiro ao usuário, devido a problemas com o novo modelo ou versão, é quase nulo", explica.
Já para Daniel Bevilacqua, diretor de TI da Tritone Interactive, agência de soluções digitais, problemas em produtos são comuns, qualquer um que seja. "O importante é escolher marcas sérias que oferecem um serviço de suporte e garantia. Um bom exemplo é a Apple, que normalmente oferece recall de produtos que tiveram algum problema, como foi o caso do iPod Nano, onde os usuários puderam receber novos aparelhos", lembra.
O especialista, porém, também recomenda esperar os primeiros meses para saber o feedback do mercado sobre o produto antes de adquiri-lo.
Fonte: Yahoo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Aprenda mais sobre segurança da Informação no evento Worksec

CANAL NO TELEGRAM

SanDisk lança cartão microSD de 400 GB para celulares na MWC 2018