bannerrootday

Comparativo: como o Lumia 630 se sai contra o Moto E?

Microsoft e Motorola revelaram nesta semana novos aparelhos que prometem disputar mercado entre si: o Lumia 630 e o Moto E, respectivamente. Ambos ficam na faixa de preço entre R$ 600 e R$ 700, contam com TV digital e capacidade para dois chips, o que é suficiente para dizer que, sim, eles podem disputar diretamente a preferência do consumidor.



Testamos os dois aparelhos e contamos as diferenças perceptíveis durante o breve período em que pudemos avaliá-los.

A impressão que fica é que a Nokia conseguiu esconder um pouco melhor as limitações do seu aparelho do ponto de vista de constituição, materiais e pegada como um todo. Os dois usam o plástico para revestir o aparelho, mas o 630 passa uma sensação de solidez que não está presente no Moto E.

O Lumia 630 possui traseira removível, tal qual o Moto E. A diferença é que o aparelho da Nokia tem construção sólida, e a peça só deve ser removida para trocar o cartão SD ou o chip da operadora, enquanto a traseira da Motorola foi feita para ser removida múltiplas vezes, inclusive para troca de capinhas - que são várias.

Por outro lado, também pode ser uma vantagem para o smartphone da Motorola: personalização. A Nokia, nos últimos anos, tem investido em celulares coloridos internacionalmente, mas só lança no Brasil as versões em preto e branco dos aparelhos. O Moto E não tem esse problema, com suas capinhas de inúmeras cores, que podem ser trocadas com facilidade.

O recurso de TV que mais agradou também foi o da Nokia, com o diferencial de reconhecer e se adaptar automaticamente à proporção da imagem. Se a TV transmite em definição “standard”, com proporção 4:3, o app mantém as barras laterais pretas para que o vídeo não fique distorcido; quando a transmissão é em HD, em 16:9, a tela fica cheia, sem precisar de ajustes, o que não existe no Moto E. O celular da Motorola também depende de um cabo esquisito que funciona bem, mas é visualmente estranho. Já o Lumia 630 demanda um fone de ouvido qualquer, mesmo para reproduzir som pelo alto-falante.

A tela do Moto E, curiosamente, se sai melhor que a do 630, mesmo sendo um aparelho mais barato. O celular da Nokia ostenta uma resolução de 854 x 480 preenchendo 4,5 polegadas, enquanto o da Motorola usa 960 x 540 para encher um espaço menor, de 4,3 polegadas. Portanto, com uma densidade de pixels ligeiramente superior. 


No fim das contas, o Lumia 630 é um smartphone melhor, até mesmo em poder de processamento, embora perca em quantidade de memória RAM. A comparação é um pouco injusta, no entanto, já que o Moto G seria o equivalente na linha de aparelhos da Motorola. A briga, neste caso, seria um pouco mais parelha, já que os dois se assemelham muito em configurações, embora seus recursos sejam bem diferentes.

Fonte: Olhar digital

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Aprenda mais sobre segurança da Informação no evento Worksec

CANAL NO TELEGRAM

SanDisk lança cartão microSD de 400 GB para celulares na MWC 2018