bannerrootday

Xiaomi apresenta o Mi Pad, primeiro aparelho com processador Tegra K1

A fabricante chinesa Xiaomi está levando a sério a ideia de ser uma competidora das gigantes da tecnologia. Prova disso é o mais recente lançamento da empresa, o Mi Pad, concorrente direto dos tablets de tamanhos mais razoáveis, como o iPad mini, o Nexus 7 e aparelhos de marcas como LG, Lenovo,Samsung e Asus.


As comparações com o tablet reduzido da Apple são inevitáveis: fora o tamanho da tela, que é idêntico, resolução de tela, forma, design e as até cores escolhidas para os modelos lembram o agora rival. Mas se engana quem pensa que o Mi Pad é só uma versão "Made in China" — na realidade, o dispositivo é nada menos que impressionante.
Especificações técnicas
A ideia da Xiaomi é ser uma referência em tablets com Android, algo que nenhuma marca conseguiu com unanimidade até agora. A estratégia ousada ainda tem uma carta na manga: a interface do sistema operacional personalizada pela companhia chinesa lembra bastante o iOS, da Apple.

Ele tem a força
Para começar, o novo aparelho da empresa de Hugo Barra, o executivo brasileiro ex-Android, é a estreia do processador NVIDIA Tegra K1 no mercado. Apresentado em janeiro durante a CES 2014, o chip pacompanha uma GPU Kepler de 192 núcleos.
As demais especificações também não deixam a desejar em nada. A possibilidade de expandir a memória em até 128 GB com um cartão microSD é tentadora para quem gosta de encher o tablet de vídeos, músicas e apps. Já a bateria é assustadoramente poderosa e deve ter uma durabilidade justa com seus 6.700 mAh.
Cores e mais cores
O primeiro tablet da empresa ainda aposta em uma variedade de cores para agradar ao consumidor que não gosta do "pretinho básico" dos aparelhos ocidentais.
Galeria 1
Além desse modelo, há a possibilidade de comprar o Mi Pad em branco amarelo, rosa, azul e verde — todos em tons bem claros e vivos.
Disponibilidade
Até o momento, o Xiaomi Mi Pad não tem uma data de lançamento, mas o preço deve ficar entre tentadores US$ 240 (cerca de R$ 530) para a versão WiFi de 16 GB e US$ 270 (aproximadamente R$ 600) para a de 64 GB — um modelo 3G ou 4G não surgiu nas informações iniciais.
Em junho, o aparelho será disponibilizado para testes a um número reduzido de consumidores. Além de uma série de países orientais que já possuem produtos da marca, Brasil e México devem receber o tablet ainda neste ano.
Fonte: Tecmundo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CANAL NO TELEGRAM

Aprenda mais sobre segurança da Informação no evento Worksec

SanDisk lança cartão microSD de 400 GB para celulares na MWC 2018