bannerrootday

FBI pode ter pagado US$ 1 milhão para pesquisadores hackearem a rede Tor



O Tor é um serviço que foi projetado para manter o anonimato dos usuários na internet, mas no início do ano passado ele foi comprometido. Agora, a organização sem fins lucrativos Tor Project, que desenvolveu e mantém o software, acredita que a culpa foi do FBI.


O grupo alega que a plataforma foi hackeada pelo órgão americano com a ajuda de pesquisadores da Universidade Carnegie Mellon, que supostamente receberam US $ 1 milhão do Departamento Federal de Investigação pelo seu trabalho.

"Aparentemente, esses pesquisadores foram pagos pelo FBI para atacar usuários de serviços escondidos numa ampla varredura e depois peneirar seus dados para encontrar pessoas a quem eles poderiam acusar de crimes", declarou o diretor do Tor Project, Roger Dingledine.

As suspeitas contra o FBI foram estimuladas por documentos utilizados pelo governo norte-americano no caso Silk Road, o mercado negro online que operava por meio da rede Tor. Brian Richard "DoctorClu" Farrell, um dos membros da versão 2.0 do Silk Road, foi acusado de estar diretamente ligado com a segunda versão do serviço e ele foi identificado graças a informações obtidas por "um instituto de pesquisas universitário". 

No mandado de busca usado para vasculhar a casa de Farrell em janeiro de 2015, o agente especial responsável pelo caso disse que uma fonte confiável do FBI teria conseguido endereços de IP relacionados a serviços ocultos, como o Silk Road 2.0, no TOR entre janeiro e julho de 2014 – época que coincide com o comprometimento do sistema.

Em declarações à revista Wired, a Carnegie Mellon disse que o Tor Project não tem provas para suas acusações. "Eu gostaria de ver a comprovação de sua reivindicação", disse um assessor de imprensa do Instituto de Engenharia de Software da Universidade. "Eu não estou ciente de nenhum pagamento", disse. 

Fontes: Wired, Canaltech


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CANAL NO TELEGRAM

Aprenda mais sobre segurança da Informação no evento Worksec

SanDisk lança cartão microSD de 400 GB para celulares na MWC 2018