bannerrootday

VPN, conheça o risco de usar este serviço no seu celular



A suspensão do aplicativo WhatsApp em todo o Brasil desde a meia-noite desta quinta-feira (17/12) tem feito diversos usuários recorrerem aaplicativos de VPN para conseguir driblar a proibição e continuar a se comunicar por meio do serviço.

A VPN (Virtual private network – rede virtual privada) é uma ferramenta que pemite o tráfego de dados por um caminho privativo na web. Na navegação comum, por exemplo, quando um endereço de site está com o início “https://”, em vez de “http://”, significa que esta é uma conexão segura, na qual se estabelce uma VPN entre o seu computador e o servidor do site que você está acessando. “Se alguém observar o fluxo de dados entre vocês de fora, não consegue pegar o que está sendo transmitido, porque tudo está criptografado”, explica o professor João Gondim, do Departamento de Ciências da Computação da Universidade de Brasília (UnB).


Uma VPN faz com que todo o seu tráfego na rede passe por um computador específico. Se esse computador não estiver no Brasil, seu Whatsapp vai funcionar e sua Netflix (serviço de streaming de conteúdo) vai ter acesso a conteúdos de outro país. No entanto, é necessário ter atenção.

Não são apenas os dados do Whatsapp que entram no fluxo da VPN. "Quando eu falo todo o tráfego, é todo o tráfego de rede mesmo. Inclui email, Facebook, aplicativos de bancos, etc", alerta Athos Ribeiro, do Centro de Competência em Software Livre (IME) da Universidade de São Paulo.

Segundo o professor Gondim, no caso do WhatsApp, a VPN estabelece a conexão do aplicativo por meio de portas que não são as usuais nos dias em que o serviço não está suspenso: “você chega ao servidor como que por um desvio", explica. O risco de utilizar a VPN é, segundo Gondim, o mesmo que se corre ao utilizar qualquer aplicativo: é necessário analisar todos os termos de uso, ver a que os seus dados estão sendo expostos e avaliar se vale a pena”, orienta.

Seu celular travou?

Alguns celulares podem ter desempenho prejudicado com o uso de uma VPN, devido à carga que esse serviço exige da máquina. “A gente pode dizer hoje que um smartphone é um computador pessoal de mão que eventualmente faz chamadas. Ele tem um poder computacional, mas não é muito forte, tem limitações. Independente da qualidade do app que foi baixado, ele acarreta uma demanda computacional mais pesada”, explica Gondim.

Para Athos Ribeiro, é necessário ter cuidado especialmente com os serviços de VPN que são oferecidos de forma gratuita: "O seu tráfego vai passar por essa VPN, e o dono pode vê-lo. Se a VPN é gratuita, que motivações a pessoa teria para fornecer a VPN para tantas pessoas, uma vez que manter uma VPN custa dinheiro?", questiona.

O uso de aplicativos de VPN pagos não dá, necessariamente, mais segurança aos usuários. A diferença entre eles e os gratuitos, segundo o professor João Gondim, é que pode haver uma solução caso algo de errado aconteça, por se tratar de uma relação de prestação de serviço. “Você tem uma chance de ter pra quem reclamar”, diz o professor, lembrando que independente do aplicativo, pago ou gratuito, é necessário ficar atento aos termos e condições de uso. “É necessário sempre olhar como é a configuração para acessar o serviço”, orienta.

Alternativa livre

O uso de software livre pode ser uma alternativa para este caso e, mesmo sem saber, muitos usuários migraram para esta opção: o serviço do aplicativo Telegram, que é parcialmente configurado com dados abertos, ganhou cerca de 1,5 milhões de novas contas desde a queda do Whatsapp no Brasil. Para Athos Ribeiro, O software livre deveria ser sempre a primeira opção "por questões éticas e por proporcionar transparência para o usuário".

No caso da VPN, no entanto, ainda é necessário ficar atento. "Mesmo que a solução seja 100% Software Livre, o dono da VPN vai controlar seu DNS (nomes dos domínios dos sites): por exemplo, talvez o site 'www.seubanco.com.br", que você sempre acessa, não seja de fato o site do seu banco, mas uma cópia feita para roubar sua senha", alerta. "Esse serviço precisa ser 100% confiável", lembra Athos.

Fonte: CenarioMT

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CANAL NO TELEGRAM

Aprenda mais sobre segurança da Informação no evento Worksec

SanDisk lança cartão microSD de 400 GB para celulares na MWC 2018