Empresas encerram licenciamento e MP3 se aproxima do fim




Neil Young e outros engenheiros de som pelo mundo possuem uma razão para sorrir: a organização responsável pelo formato de áudio MP3 está fechando as portas do seu programa de licenciamento. 

O Fraunhofer Institute for Integrated Circuits anunciou que ele e o Tecnhicolor não irão mais licenciar “patentes e software” para o formato MP3. O programa de licenciamento foi encerrado oficialmente em 23 de abril. 

“Agradecemos a todos os nossos licenciados por seu grande apoio em tornar o MP3 o codec de áudio padrão do mundo pelas últimas duas décadas. A maioria dos serviços como streaming ou transmissão de TV e rádio usam codecs modernos ISO-MPEG como AAC e MPEG-H...eles podem entregar mais recursos e uma maior qualidade de áudio com taxas de bitrates muito menores em comparação com o MP3”, afirmou o Fraunhofer Institute. 

Apesar de Fraunhofer e Technicolor estarem desistindo do licenciamento do MP3, continuarão envolvidas com codecs de áudio. As duas organizações possuem um interesse em MPEG-H 3D Audio, um novo codec de áudio, e a Fraunhofer ajudou a desenvolver o já citado AAC.

Apesar de um pioneiro no áudio digital, o MP3 sempre foi controverso. Muitos críticos zombavam do formato pelo som extremamente comprimido, o que reduzia a qualidade da gravação. O cantor Neil Young até chegou a ajudar no lançamento do Pono Player em 2015 em uma forma de protesto contra a música digital de má qualidade, incluindo o MP3.

Apesar de o licenciamento do MP3 estar chegando ao fim, o uso cotidiano do formato não irá a lugar algum. Os arquivos de MP3 continuarão sendo reproduzidos como sempre. Mas, como acontece com qualquer tecnologia, o formato irá desaparecer lentamente à medida que opções mais avançadas (como AAC) tornem-se mais acessíveis.

Fonte: IDG now

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ransomware de origem russa Spora chega ao Brasil e causa estragos

Intel anuncia nova tecnologia de armazenamento

Nintendo Switch já está sendo vendido no Brasil e o preço assusta