bannerrootday

Com nuvem em alta, Microsoft vê receita e lucro crescerem no trimestre




Microsoft manteve forte expansão de seu negócio de computação em nuvem durante o quarto trimestre e no ano fiscal de 2017, encerrados em 30 de junho. A empresa fechou o quarto trimestre fiscal com lucro líquido de US$ 6,51 bilhões, o que representa um crescimento de 109% frente aos US$ 3,12 bilhões apurados em igual período do exercício fiscal anterior. Na mesma base de comparação, a receita da companhia teve alta de 13%, somando US$ 23,32 bilhões contra US$ 20,61 bilhões. Quando ajustada para refletir a receita diferida com o Windows 10 a receita totaliza US$ 24,7 bilhões.

Considerando todo o ano fiscal de 2017, a Microsoft apurou lucro líquido de US$ 21,20 bilhões, alta de 26% em relação aos US$ 16,80 bilhões registrados no ano fiscal de 2016. A receita também subiu, 5,4%, de US$ 85,32 bilhões para US$ 89,95 bilhões na mesma comparação.

Com os resultados, a gigante do software se consolida como a provedora nº 2 de serviços de computação em nuvem para o mercado corporativo e armazenamento, atrás apenas da Amazon.com. O crescimento de seu negócio de nuvem foi puxado pelo Azure e o Office 365, a versão online do seu software de produtividade para escritório.

A empresa informou que o segmento de nuvem inteligente, que inclui o Azure, aumentou 11%, para US$ 7,4 bilhões. No segmento de produtividade e processos de negócios, que inclui a franquia do Office, a receita subiu 21%, para US$ 8,4 bilhões. A Microsoft não divulga receita do Azure e Office 365, mas disse que a receita do Azure saltou 97% e a do Office 365, 43% no ano fiscal.

"O Azure foi a principal fonte de crescimento no trimestre", disse a diretora financeira (CFO) da Microsoft, Amy Hood, em uma entrevista. "É mais alto do que esperávamos."

O crescimento da Microsoft no chamado mercado de nuvem pública hyperscale foi mais rápido no trimestre do que os investidores estimavam. A divisão de nuvem ainda é menor do que a Amazon no mercado, mas parece estar se distanciando de seu rival mais próximo, o Google, disse Brad Reback, analista da Stifel Nicolaus & Co. "Ela é a nº 2 incontestável nº 2 no mercado de nuvem pública de hiperescala, e será extraordinariamente difícil para alcançá-la", disse Reback.

Mas o avanço do seu negócio de nuvem ocorre em detrimento do encolhimento do seu negócio de sistema operacional Windows. A receita do segmento de computação pessoal, que inclui o Windows e os negócios de telefonia móvel e de jogos, caiu 2%, para US$ 8,8 bilhões. Na semana passada, IDC divulgou que as remessas de PCs em todo o mundo caíram 3,3% no segundo trimestre, enquanto o Gartner calculou uma queda de 4,3%.

A receita da Microsoft com a linha de computadores também caiu 2%. Três meses atrás, esse negócio foi atingido com força, registrando um declínio de receita de 26%, que a empresa atribuiu aos notebooks Surface mais antigos, além do aumento da concorrência em termos de preços.

Já o LinkedIn, a rede social de contato profissional que a Microsoft adquiriu em dezembro do ano passado, por US$ 27 bilhões, somou US$ 1,07 bilhão em receita e registrou uma perda operacional de US$ 361 milhões. A Microsoft está trabalhando para conectar seus produtos comerciais ao LinkedIn, dando aos representantes de vendas de seu software Dynamics, por exemplo, ferramentas para explorar mais facilmente a rede social. *Com informações da Dow Jones Newswires.


Fonte: IDG Now

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CANAL NO TELEGRAM

Aprenda mais sobre segurança da Informação no evento Worksec

SanDisk lança cartão microSD de 400 GB para celulares na MWC 2018