bannerrootday

Ministério Público de SP e Microsoft firmam acordo para barrar crimes cibernéticos



O Ministério Público do Estado de São Paulo (MPSP) e a Microsoft Brasil assinaram nesta terça-feira (27) um acordo de cooperação para combater e previnir os crimes cibernéticos. A parceria prevê um prazo inicial de cinco anos e compreende iniciativas conjuntas com foco na capacitação de promotores, cooperação entre as organizações e campanhas de educação para a população. A assinatura do acordo foi realizada na sede do MPSP, na cidade de São Paulo. Participaram da cerimônia o Procurador-Geral de Justiça do Estado de São Paulo, Gianpaolo Smanio, e a presidente da Microsoft Brasil, Paula Bellizia. Segundo Smanio, trata-se de uma iniciativa inédita de um Ministério Público no Brasil dedicado ao tema e que deve ser replicado em outros estados. 

Vale lembrar que o massivo ciberataque conhecido como WannaCry, que derrubou sistemas de informações de empresas e instituições na Europa em maio de 2017, também afetou empresas e órgãos governamentais no Brasil, incluindo o Ministério Público paulista. Na ocasião, o site da instituição ficou fora do ar, apesar de não ter sido confirmado nenhum vazamento de dados. 

Tecnologias emergentes no combate ao cibercrime 

Com a parceria, a Microsoft fornecerá ferramentas que possam contribuir em processos de investigação, como informática forense; computação em nuvem e Big Data; e mecanismos de prevenção e mitigação de delitos informáticos. A medida que hackers sofisticam suas técnicas de ataque, a prevenção e o combate também exige aplicação de tecnologias emergentes para barrar os estragos.

"A gente às vezes fala de inteligência artificial aplicada a algumas áreas da sociedade e aqui é claramente uma oportunidade para trazer o melhor da tecnologia como meio pra que o MP possa lidar com essas escalas e sofisticações de crimes computacionais e cibernéticos", ressaltou Paula Bellizia em coletiva de imprensa realizada nesta terça-feira.

Além das ferramentas, a Microsoft disponibilizará relatórios sobre tendências de novos malwares e vulnerabilidades registrados por seu time global de segurança. Entre outros dados, a Microsoft afirma elaborar seus relatórios a partir de informações de segurança de 1 bilhão de dispositivos Windows atualizados mensalmente, que somam 200 bilhões de e-mails rastreados por ameaças virtuais, como phishing e malware, e 300 bilhões de acessos mensais a serviços. 

A parceria também prevê o desenvolvimento e o apoio a campanhas educativas para combate ao cibercrime. Segundo levantamento da empresa de segurança Kaspersky Lab realizado em 2017, o Brasil é o país com maior número de vítimas de ataques phishing do mundo. Ao todo, 28,3% dos internautas brasileiros caíram em algum golpe de phishing no ano passado. Campanhas de phishing usam e-mails e mensagens em aplicativos como o WhatsApp para levar vítimas a clicarem em links maliciosos.

A proposta é que o MPSP e a Microsoft trabalhem em ações conjuntas que orientem a população do Estado de São Paulo em relação à prevenção de crimes cibernéticos.

Fonte: IDG Now

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Aprenda mais sobre segurança da Informação no evento Worksec

CANAL NO TELEGRAM

SanDisk lança cartão microSD de 400 GB para celulares na MWC 2018